Archive for the 'Relacionamentos' Category

O valor do amor

by @ sábado, outubro 8th, 2011. Filed under Relacionamentos

Nada vale mais que o amor. O amor não pode ser negado, restringido, dividido, negociado, reprimido, proibido, cerceado, contido, escondido, subtraído… O amor só pode ser adicionado, multiplicado, extravasado, espalhado, revelado, disseminado, compartilhado, cultivado, frutificado… Sem barreiras, exclusividade, desculpas, rodeios, mentiras, ciúmes, trapaças, temores, pudores, exigências, cobranças… Com alegria, harmonia, ternura, carinho, respeito, amizade, admiração, [...]

Relacionamentos heterogenários

by @ sexta-feira, agosto 26th, 2011. Filed under Relacionamentos

Um companheiro ou companheira jovem é uma forma de sentir que ainda se tem vitalidade. Pelo reverso da moeda, o jovem ou a jovem que se unem a um parceiro ou parceira bem mais velho querem um apoio seguro, inclusive emocional, e uma companhia intelectual mais estimulante. Acho válidas as duas situações. Vou além. Penso [...]

O ciúme segundo Nelson Rodrigues

by @ domingo, fevereiro 6th, 2011. Filed under Relacionamentos

“Myrna responde: É uma delícia o ciúme sem motivo Há, em amor, um problema sem possibilidade de solução: – o do ciúme. Quem ama, sente, fatalmente, ciúme. Com ou sem motivos. Isso tem sido assim através dos tempos. Muita gente diz – “Ciúme é falta de confiança”. Seja e não importa. Na minha passagem pelo [...]

Cada caso é um caso.

by @ sexta-feira, novembro 19th, 2010. Filed under Relacionamentos

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=99287366&tid=5517922232976505979&na=2&nst=27 Ao se odiar, deseja-se o mal à pessoa. É o contrário do amor, mas provoca emoções parecidas. Odeia-se a quem se desejaria amar. Ao se desprezar devota-se um sentimento de desconsideração, de aversão, de desgosto, de antipatia, mas não se deseja mal a ela. Despreza-se a quem não se conseguiria amar. Ao se devotar [...]

Amor com amor se paga

by @ sábado, agosto 14th, 2010. Filed under Relacionamentos

Amor é coisa mais maravilhosa e é a razão e o propósito da nossa existência. Mas amor tem que ser uma coisa livre, franca, aberta, sem limites, sem barreiras, sem restrições, completo, alegre, sem posse, sem ciúme, declarado, sem cobrança, sem inibição, mesmo que seja algo que a sociedade não admita por que é mesquinha, [...]

Podem-se considerar vários tipos de amor.

by @ sexta-feira, julho 16th, 2010. Filed under Relacionamentos

“Philia” é o amor da mente, isto é, a amizade e o afeto que se tem por outra pessoa do mesmo sexo ou do oposto, de uma forma racional, ligada a uma reciprocidade. “Eros” é o amor sensual, vinculado ao desejo carnal, mas não apenas ele, pois envolve um sentimento também. É o amor dos [...]

Perdoar sim, confiar não!

by @ domingo, junho 27th, 2010. Filed under Comportamento, Pessoal, Relacionamentos

Perdoar eu sempre perdoo tudo e não guardo rancor de ninguém. Mas não confio mais em quem me traiu, a não ser que prove cabalmente que se arrependeu muitíssimo e se emendou. Mas concessões fabulosas requerem atestados fabulosos. Não sinto raiva, ódio nem rancor de pessoa alguma, seja o que for que tenha me feito. [...]

Sexo, amor, fidelidade e exclusividade

by @ domingo, maio 23rd, 2010. Filed under Relacionamentos, Sexualidade

Amor não é algo que se faça e sim que se sinta. Tanto homens quanto mulheres são capazes de amar e amam. Sexo se pratica ou faz, tanto por homens quanto por mulheres, uns com os outros ou entre si. Sexo pode ser feito com ou sem amor e amor pode incluir ou não sexo. [...]

Amar a sí mesmo

by @ sábado, dezembro 26th, 2009. Filed under Comportamento, Relacionamentos

É certíssimo e corretíssimo amar a si mesmo. O que isto significa? Que se quer o bem de si mesmo, a felicidade, que se tem cuidado com si mesmo, carinho, que se compraz com a própria companhia nos momentos de solidão introspectiva e se alegra com o próprio modo de ser, que, enfim, se tem [...]

O amor e a prudência

by @ segunda-feira, setembro 28th, 2009. Filed under Comportamento, Relacionamentos

Jamais se deve ser prudente no amor, mas sim entregar-se inteiramente à sua fruição, sujeitando-se a todos os possíveis dissabores e sofrimentos, mas arriscando-se a ser merecedor dos mais altos píncaros de júbilo e da mais plena realização que se pode ter na vida. Isto vale para qualquer modalidade de amor, inclusive o amor ao [...]

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]