Inteligência da natureza

by @ 9:58 on 3 janeiro 2009. Filed under Inteligência

Certamente que a inteligência possui vários aspectos, não apenas o intelecto-cognitivo. E pode-se até considerar o comportamento instintivo como um tipo de inteligência, se bem que ele provém de registros já existentes no código genético, enquanto um comportamento que eu diria “inteligente” se dá de forma inédita, como resposta particular a um estímulo ou, principalmente, como atitude original, engendrada pela mente por sua própria inciativa. Isto inclui inteligência cognitiva, cinestésica, emocional, e outras, inclusive a intuitiva, que resulta de um processamento inconsciente da mente. Mas penso que o instinto não se enquadra nesse tipo de categoria, pois ele determina não apenas a motivação para o ato, mas o próprio ato em sí. Assim o comportamento reativo da formiga é instintivo, mas admito que ela também possua algum grau de inteligência, uma vez que é capaz de fazer escolhas ao se deparar com mais de um estímulo ou mais de uma possibilidade de reação a um deles.
No meu entendimento, contudo, os protistas, fungos, vegetais e, certamente, os minerais, não apresentam nenhum comportamento que possa ser considerado inteligente, no meu modo de conceber esta palavra. Muito menos o Universo como um todo. Mas posso mudar de opinião, se convencido. Isto não é nenhuma concepção dogmática mas apenas uma constatação dos fatos. As forças inanimadas da natureza, que promovem a formação de partículas, átomos, moléculas, estrelas, galáxias, bem como os movimentos tectônicos, dos mares e da atmosfera, por exemplo, não são dirigidas por planejamento inteligente nenhum. Porque, se o fossem, eu seria obrigado a dizer que seu projetista é extremamente burro.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=2737

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]