Interpretaçãoes quânticas

by @ 17:44 on 4 maio 2009. Filed under Física Quântica

A dualidade onda partícula não é contraditória, desde que interpretada corretamente. E a interpretação correta está na realidade física da função de onda, considerada como a amplitude do campo da matéria, que seria uma componente do campo global e único de que é constituído todo o Universo. Até aí a interpretação de Bohn está correta. Os bósons, os férmions são quantizações, isto é, concentrações, de alguma componente do campo geral, que também continua a existir de forma não quantizada preenchendo todo o espaço, como sendo o vácuo, do qual podem emergir pares de partícula e anti-partícula. Não existe vazio no Universo. Todo ele é um campo só. Inferir daí que isto possua uma consciência é um passo completamente sem fundamento. Ou mesmo que tal coisa tenha tido o propósito embutido de evoluir de forma a levar ao surgimento do homem. Isto já são conjecturas gratuitas. O surgimento da inteligência não precisa ter sido planejado. Como já disse, o acaso é competente para isto, que poderia nunca ter surgido, e nem surgir no futuro. Surgiu por coincidência. Outra ilação sem fundamento é a da existência de infinitas dimensões ou de outros Universos. Pode até ser que hajam as dimensões recurvadas da Teoria das Cordas, mas não são infinitas. Mesmo elas ainda são um tema controverso. Quanto aos outros Universos, são especulações que não podem ser verificadas. É como a existência de Deus: uma vez que não se tem provas dela e ela não é uma evidência, a prudência aconselha a considerar sua inexistênicia.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=3130

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]