Caminhos para o anarquismo

by @ 21:39 on 27 janeiro 2010. Filed under Anarquismo

Considero que a sociedade ideal seja anarco-comunista. Tal objetivo, contudo, só poderá ser atingido de forma expontãntea e não revolucionária. A ditadura do proletariado e qualquer forma de socialismo estatal está fadada à falência, pois substitui a tirania do capital pela da burocracia. O caminho para o anarquismo é, pois, gradual e se fundamenta principalmente na educação. Mas há que se esperar inúmeras décadas ou séculos para que se torne realidade, já que só tem sentido se for uma situação geral para o mundo, uma vez que não se pode abolir a existência de algum estado se ainda houver outro. Estou falando de uma sociedade sem fronteiras, sem propriedade, sem estado soberado, sem moeda, sem crime, sem pobreza, sem classes. Tal sociedade tem que ser altamente evoluída e, certamente, extremamente culta e tecnologicamente desenvolvida. Seu fundamento está no “comunitarismo”, isto é, na abolição das residências individuais e até mesmo da família unicelular. Alojamentos coletivos, refeitórios coletivos, lavanderias coletivas, tudo comunitário. Inclusive maridos e mulheres coletivos. Todo mundo trabalhando de graça e tendo tudo o que precisa de graça. Num nível que pode chegar até ao luxo. Para todo mundo. Sem nenhum preguiçoso, nenhum ganancioso, nenhum trapaceiro, nenhum ladrão. Todo mundo operoso, solidário, gentil, alegre e feliz. Isto é possível? Sim, é claro!.
Qual o caminho?
Começa-se pela pulverização do capital, transformando todo empregado em patrão. Continua pela dedicação de uma fração do tempo a trabalhos comunitários voluntários, como hortas, creches, refeitórios etc, onde não se faz nada por dinheiro e se consegue tudo por doação. Aos poucos vai se prescindindo do dinheiro para tudo. As pessoas deixam seus carros em garagens coletivas para todos usarem. Seus pertences são expontaneamente doados para centros comunitários onde há bibliotecas, salas de música, cinemas, jogos. Tudo mantido por voluntariado. Com administração por comitês “ad hoc” escolhidos entre os participantes. Tudo isto é bem possível.
E é pela educação que vai se começar a criar esta mentalidade nas crianças. Privilegiar a cooperação ao invés da competição. Essas iniciativas comunitárias podem e devem ser feitas de modo não oficializado. Nada de ong’s nem de fundações. As pessoas conseguem um terrreno por doação, constroem uma creche em mutirões com tudo doado, sem nota fiscal, sem imposto. E todos trabalham sem formalização nenhuma. Com um compromisso feito pela palavra dada. Fazem horta para plantar os alimentos. Se se abolir o consumo de carne, melhor ainda, pois a economia que se tem de comer o vegetal ao invés de usá-lo para engordar o gado é imensa. Ninguém precisa nem ter roupa própria. Poderiam haver vestuários coletivos. Isto não impede a existência de indústrias sofisticadas, como a aeronáutica, que fabricariam aviões sem custo nem preço, para as pessoas viajarem sem pagar passagem. Acho que um mundo assim é possível e fatalmente acontecerá em menos de cinco mil anos.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=3722

3 Responses to “Caminhos para o anarquismo”

  1. Marilia Equi Martins disse:

    Ah, meu caro Rückert, quem dera o mundo partilhasse em uníssono a tua idéia, pois também acredito no que você diz, mas me acham idealista, estranha e maluca. Nem ligo… Será um longo processo e pelo que observo, será muito longo mesmo. Infelizmente minha experiência com assistente social ainda vê a humanidade extremamente egoísta e individualista… Minha luta direciona-se no sentido contrário aos que querem apenas possuir. Vamos redistribuir e compartilhar! : )

  2. Marilia Equi Martins disse:

    Desculpe-me onde se lê com assistente social , leia como assistente social…

  3. Inês Sagula Fossa disse:

    Meu amigo, vc viajou na maionese. Isto é um mundo ideal, utópico. Eu como filha de anarquistas, sigo estes preceitos e os transmiti aos meus filhos. Mas, sabeis que a maioria não têm nem idéia do que seja isso que vc escreveu.
    Quem sabe, se cada um fazer realmente a sua parte , transmití-las a outros, em algumas década chegaremos o mais próximo possível. Porque educar leva gerações. Para vc ver algum resultado atual, terá que ter começado a educar os avós.

    Mio Babo dizia, que a Educação vem do berço. A escola é um complemento. E qdo saia de casa, eles diziam, para eu tomar cuidado pq eu os estava representando.

    Abraços, caro amigo.

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]