Unificação das interações

by @ 18:23 on 28 fevereiro 2010. Filed under Cosmologia, Física Quântica

No meu entendimento, não há como unificar as interações com a gravidade, pois esta não é uma interação. Apenas na aproximação do espaço local tangente é que a gravidade aparenta ser uma interação. As teorias de unificação descartam a relatividade geral e consideram a gravidade como uma interação. Acho isso muito esquisito e vejo que, por isto, é que não conseguem, inclusive detectar gravitons. As ondas gravitacionais são ondas de curvatura do espaço-tempo e não perturbações de um campo quantizável, como o são as demais.

Sem dúvida que tem. Física mesmo, isto é, comportamento da natureza. A questão é que a Física Teórica ganhou um status de independência da fenomenologia que faz parecer que tudo que é obtido teoricamente corresponde ao comportamento da natureza. Isto é um perigo, mas advém da vaidade dos pesquisadores. Einstein, por exemplo, não se sentiu seguro de sua Relatividade Geral enquanto o desvio das estrelas no eclipse e a medida da precessão do periélio de Mercúrio não a confirmaram. É dessa pretensão descabida que surgem os Universos paralelos, os buracos brancos e outras fantasias.

A teoria das cordas (ou das branas ou a “M”) pretende unificar as partículas como modos de vibração de cordas ou membranas em múltiplas dimensões. Pode ser que consiga, mas pode ser só uma brincadeira (só que gasta fortunas dos contribuintes). No meu entendimento, o Universo é composto de um único e vasto “campo”, aqui e acolá concentrado em partículas quantizadas que são os bósons e férmions (quarks, leptons, gluons, fótons etc). Mecanismos que precisam ser descobertos garantem a estabilidade de certos quarks e produzem a matéria (e antimatéria). Explicações de como isso tudo funciona e como o conteúdo de massa-energia curva o espaço ainda não existem, fenomenologicamente (não apenas a equação). Física é entender o funcionamento da natureza. Ainda falta saber muita coisa.

A ciência não deve dizer apenas “como”, mas também, “por que”. Não só descrever e quantificar, dando as equações que relacionam as grandezas descritivas dos atributos das entidades, mas entender por que é que as coisas se dão como se dão. É o que eu chamo de fenomenologia conceitual. São as interpretações da Mecânica Quãntica, por exemplo. Isto ainda não está resolvido de modo pacífico. Não me alinho à concepção positivista de que só interessa saber se dá certo. Quero saber a explicação.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=3756

2 Responses to “Unificação das interações”

  1. Ernesto, você conhece a série de TV americana “The Big Bang Theory”? Tem um personagem que adora a teoria das cordas.

  2. Ernesto disse:

    Tenho notícia desta série, mas não a assisto, pois quase não vejo televisão mesmo. Até quero dar uma olhada. A teoria das cordas ainda é uma conjectura, apesar de haver muito investimento em pesquisa teórica nela. Pessoalmente não acho que seja a resposta para a unificação das interações, que considero não ser possível. Obrigado pela participação. A propósito, como você faz aparecer sua foto no comentário?

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]