Problema das forças armadas

by @ 18:17 on 26 abril 2011. Filed under Comportamento

Não prestei serviço militar por ser portador de genu valgum. Mas se o tivesse feito viveria no xadrez, pois nunca fui capaz de obedecer, nem a meu pai, sem entender a razão da ordem. Felizmente meu pai, que era anarquista e livre-pensador, como meu avô, nunca me deu nenhuma ordem irracional, insana ou idiota e sempre me convencia da razão de suas determinações. Acho que o instituto da obediência é completamente irracional, como o são as guerras. Em verdade prefiro morrer do que matar. É próprio dos ateus não aceitar o que é dito por “autoridades” sem questionamento. Por isso, de fato, ateus são perigosos nas forças armadas. Forças armadas, aliás, deviam ser abolidas do mundo. Quanta economia de recursos não seria obtida, podendo ser canalizada para coisas muito mais importantes e produtivas? É claro que, para tal, não poderia haver nenhum desejo de conquista por parte de nenhuma nação. O melhor é que não houvesse nação nenhuma. Mas isto é outra história. Quanto ao tema em tela, as forças armadas são mestras em exibir preconceitos contra mulheres, homossexuais, negros, gordos, deficientes visuais, nerds, franzinos, cultos e assim por diante, além de ateus e, mesmo, seguidores de religiões minoritárias, como muçulmanos, hinduístas, budistas e judeus, no Brasil. Enquanto existirem é preciso que sejam um espelho de toda a sociedade em suas múltiplas facetas e sigam rigorosamente os preceitos constitucionais de igualdade.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=4261

One Response to “Problema das forças armadas”

  1. Ernesto disse:

    A belicosidade é um distúrbio de comportamento. O ser humano pode perfeitamente viver pacíficamente sem necessidade nenhuma de forças armadas. Isto é uma questão de civilização. Por enquanto ainda não somos suficientemente civilizados para prescindirmos de defesa armada. Mas isto é uma deficiência da sociedade. Uma sociedade mundialmente bem estruturada não precisa de forças armadas nem de guerras nem de fronteiras. Ainda chegaremos lá e é esta a tendência de longo prazo da humanidade. Se esforços forem envidados nesse sentido em poucos milhares de anos não teremos mais fronteiras nem exércitos.
    Quanto ao ateísmo, ele é uma postura racional e lógica e não desvio de comportamento nenhum. Os ateus são muito mais solidários e cooperativos que os religiosos. Em geral as religiões é que criam animosidade entre os homens. Quanto à presença de homossexuais e de mulheres nas forças armadas isto não significa, em absoluto, na transformação dos quartéis e das naves em bordéis. Só se as pessoas tiverem taras sexuais. Pessoas normais convivem em todas as atividades perfeitamente bem com o sexo oposto e com homossexuais, sem que nenhum comportamento lascivo se manifeste. Isto acontece em qualquer tipo de trabalho e o serviço militar é um tipo de trabalho como os outros.
    Tem mais. Selecionar os membros das forças armadas com alguma restrição ao fato de serem ateus ou de qualquer específica religião, por sua orientação sexual ou qualquer outro critério que descrimine seja o que for, exceto deficiência física ou mental, é inteiramente inconstitucional. Eu digo que excluir mulheres do serviço militar é inconstitucional, pois homens e mulheres têm que ser iguais perante a lei para tudo o que for, inclusive na obrigatoriedade de prestar serviço militar, enquanto isto ainda existir.
    A evolução da humanidade é justamente no sentido de diminuir a competição e aumentar a colaboração. Não creio que seja preciso nem dez mil anos para atingirmos a paz mundial, pois o progresso se dá em progressão geométrica. Há uma tendência de longo prazo da humanidade para a democratização. Países mais evoluídos, como a Suíça, já dispensam exércitos. A tendência é toda a humanidade se tornar como a Suíça e os países escandinavos em nível de prosperidade, cultura, educação, tecnologia, saúde, liberdades, justiça e bem estar da população. Não haverá progresso se ele não for global, se não se eliminar a fome do mundo todo. Isto é uma meta perfeitamente realizável e a prosperidade generalizada eliminará, naturalmente, o desejo de domínio sobre outros, levando à paz. Uma paz continuada por algumas centenas de anos dispensará inteiramente as forças armadas. A disseminação de organismos como a Comunidade Européia levará à abolição das fronteiras e, ao fim, dos próprios governos.
    Uma das condições para essa paz mundial é a abolição das religiões, pois elas fomentam a discórdia entre os povos. As pessoas podem até acreditar em Deus, mas como algo de foro íntimo, sendo toleradas quaisquer forma de crença, desde que não sejam nocivas à sociedade como um todo. Mas as religiões como organizações são nefastas. Todas elas.

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]