Arte e Ateísmo

by @ 18:27 on 25 setembro 2012. Filed under Artes, Ateísmo
Interessante como a religiosidade é artisticamente inspiradora. Um dos problemas que vejo no ateísmo é a ausência de produção artística relacionada: músicas, pinturas, esculturas, edifícios, danças, teatro, poesia. A literatura em prosa ainda abriga obras de inspiração ateísta, mas, o resto, é ridículo. Como disse o Alain de Botton, esse conforto estético que a religiosidade oferece precisava ser provido, também, pelo ateísmo. Sem dúvida que isso é possível. É o tipo de coisa que quero fazer.
O ateísmo não é frio e nem exclui elevação espiritual e transcendência, desde que isso seja entendido não como uma orientação para o sobrenatural mas para os aspectos mais elevados da sensibilidade e da consciência. Em suma, para a virtude. E a virtude não tem nada a ver com religiosidade, mesmo que as religiões a cultivem. É só uma questão de achar a inspiração. Quem sabe não se poderia compor um épico como o Mahabharata com inspiração ateísta. Gostaria de fazê-lo, mas é trabalho para toda uma vida.
Eu me achei uma pessoa muito melhor depois que me tornei ateu do que antes. Pois vi que fazer o bem pensando na recompensa eterna ou não fazer o mal para não ir para o inferno é uma tremenda mesquinharia e falta de caráter. Sem Deus eu vejo muito mais beleza na natureza e no Universo. Ainda mais como físico e cosmologista, eu me maravilho com a própria natureza, mesmo que reconheça seus horrores e imperfeições, que ela não teria se tivesse sido feita por algum Deus. E como músico e pintor eu me extasio com a beleza que a arte é capaz de expressar. Isso me dá enlevos espirituais muito mais altos do que minha anterior religiosidade, em que tudo era castrado pela noção de pecado.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=4516

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]