O Mito da Monogamia

by @ 17:30 on 2 fevereiro 2013. Filed under Biologia, Relacionamentos, Sexualidade

Acabei de ler o livro “O Mito da Monogamia”, de David P. Barash e Judith Eve Lipton”, traduzido pela Record. Trata-se de um livro de divulgação científica biológica, com abundantes referências para tudo o que diz. Ele faz uma análise do comportamento gamético desde vermes, insetos e aracnídeos, passando por peixes, répteis, aves, outros mamíferos e o homem. De forma magistral fica sobejamente demonstrado que a monogamia não é o padrão gamético entre os animais e nem é biologicamente natural do homem. Isso vale, inclusive, para espécies que sejam “socialmente” monogâmicas, nas quais as cópulas extra-par são muito mais costumeiras do que se supunha. Raríssimas são as que são, biologicamente mesmo, monogâmicas. O que, absolutamente, não é o caso da humana. Todavia, em seu último capítulo “E daí?”, o livro considera que o estabelecimento social da monogamia como padrão, pelo menos na maior parte do mundo dito “civilizado”, faz com que ela deva ser considerada como a melhor alternativa para quem viva nessas sociedades, em que pese a possibilidade e a tendência para casos extra-conjugais. Este capítulo está em completo desacordo com a totalidade do resto do livro. Minha expectativa era de que ele proporia novos arranjos sociais gaméticos, como o fez Bertrand Russell em seu “O Casamento e a Moral”, ou, até mesmo, mais ousados, como a possibilidade de arranjos plurais estáveis ou algum tipo de onigamia com uma estrutura familiar ampliada para garantir os cuidados e a criação das crianças. No entanto ele não ousa contrariar as convenções sociais (e religiosas) em favor da realidade biológica e da eudemonia.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=4569

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]