PAI

by @ 0:35 on 11 agosto 2015. Filed under Poesia

Trinta anos são passados.
Não mais ouço tua voz
ditar-me sábios conselhos,
nem vejo teus olhos claros
tanta bondade irradiar.

Como sinto tua falta…
Saudades das noites frias
em que, em nossas poltronas,
o vinho da vida bebíamos
em longas conversas profundas.

Hoje já chego à idade
em que desta vida partiste.
E, mais do que nunca, preciso
ouvir tua palavra amorosa,
guiar-me na sina da vida.

É tanta minha solidão
que, mesmo sabendo-te ausente,
teu vulto, em brumas envolto,
parece acercar-se de mim
e, sem querer, digo: Pai!

Ernesto von Rückert, maio de 2011

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=4675

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]