Amor, sexo, gênero, preconceito e ciúme

by @ 1:20 on 4 junho 2008.

Origem da homossexualidade
A origem do comportamento homossexual não é uma questão de opinião e sim de pesquisa científica e, pelo que depreendo, o caráter genético possui uma força maior que o adquirido. As quatro modalidades de orientação sexual (heterossexualidade, homossexualidade, bissexualidade e assexualidade) são distribuídas pela população em proporções independentes do grupo étnico, social, nacional, etário ou sexual (85%, 3%, 12% e 0,01%, respectivamente). Tal caráter encontra-se registrado na porção do Sistema Límbico relacionada com o sentido do olfato e reage positiva ou negativamente à percepção dos feromônios exalados (que são conscientemente inodoros na espécie humana). Este fato é cromossômico, revelando-se insensível à administração de hormônios (testosterona ou estrogênios). Portanto, se a natureza contempla esta possibilidade, mesmo as pessoas que acreditem em Deus e, em decorrência, de que a natureza seja obra sua, por coerência, devem admitir que isto faça parte de seus planos e não que seja pecaminoso. Assim, a condenação religiosa à homossexualidade carece de fundamento.
Desta maneira, a homossexualidade não consiste em um comportamento eletivo, passível de condenação se socialmente danoso, como, por exemplo, o roubo, o furto, o assassinato, a calúnia, a difamação e, no que se prende a este artigo, o preconceito.
Da mesma forma que ninguém escolhe a cor da pele com que nasce, nem o sexo, local e data, também não escolhe a orientação sexual. Este fato primordial é a base da rejeição ao preconceito de cor, sexo, nacionalidade e orientação sexual. Outras características, mesmo não sendo natas, também, de certa forma, em muitos casos, estão fora de uma liberdade consciente de escolha, como o idioma materno e a religião professada, pois são induzidos pelo grupo social em que a criança se desenvolve, que pode não ser aquele em que nasceu. Neste sentido, também não se pode admitir preconceito a respeito desses aspectos.
Todavia, há casos em que a opção religiosa pode ser objeto de restrição, se a religião em questão envolver comportamentos criminosos, como, por exemplo, sacrifícios de crianças em rituais satânicos. Mesmo não chegando a tais extremos, um país laico e democrático, como deveriam ser todos, não pode admitir comportamentos religiosos que firam as liberdades individuais, como o preconceito em relação às orientações sexuais que algumas religiões exibem. Isto não vai contra o princípio de liberdade religiosa, uma vez que a própria religião está ferindo um princípio mais amplo.
Em suma, tem-se liberdade de fazer tudo o que não fira a liberdade alheia ou os direitos universais da pessoa humana e, mesmo, do resto da natureza. Ou ainda: pode-se tolerar qualquer comportamento que não prejudique a ninguém, nisto incluindo até a poligamia e a poliandria. Mas a intolerância é intolerável.
Uma lei contra o preconceito
Considero que a igualdade de direitos seja um princípio tão fundamental que a lei, em nenhuma de suas determinações, deveria sequer mencionar o sexo, a cor da pele, a religião professada, a classe social, a filiação ideológica ou a orientação sexual da pessoa. Isto é, todos os deveres e direitos dos cidadãos têm que ser universais, com o banimento de qualquer privilégio de toda ordem. Não vejo necessidade de nenhuma lei que explicite direitos específicos de grupos, qualquer que seja a característica que permita diferenciá-los dentro da sociedade, sejam minoria ou maioria.
Isto vale, por exemplo, para políticos, magistrados, policiais, funcionários públicos, militares, negros, mulheres ou outra categoria, em seus direitos e deveres trabalhistas ou de qualquer ordem, que não podem diferir dos direitos e deveres comuns a todo cidadão. Só posso admitir restrições de idade, devido à falta de maturidade, para dirigir automóveis ou exercer certas ocupações.
O que acabei de dizer é um princípio geral, que poderia admitir exceções em casos de cabal justificativa. Mas que, certamente, não inclui o fato de deputados não poderem ser processados por crimes como todo cidadão, nem de que crianças assassinas não possam ser julgadas e condenadas como adultos ou ainda da existência de prisão especial para portadores de diploma superior. Este também é o caso das cotas raciais para ingresso às universidades, em minha opinião, preconceituosas. Portanto considero que uma lei contra o preconceito homofóbico não seja necessária, já que isto está inteiramente abrigado no direito mais amplo, garantido pela Constituição.
As pulsões primitivas e o amor
Nada é mais importante do que o amor. Trata-se de algo engendrado pela natureza ao longo da evolução para garantir a sobrevivência da espécie. Enquanto o egoísmo pode ser eficaz para a sobrevivência do indivíduo, é o amor que garante a perenidade da espécie. O sexo foi uma estratégia da natureza para garantir a variabilidade genética e possibilitar múltiplas escolhas na seleção natural. Seria possível, por partenogênese, a existência de espécies apenas com o sexo feminino, que é o essencial, sendo o masculino meramente acessório. O surgimento do sexo, desde os mais primitivos seres vivos, contudo, revelou-se a opção mais eficaz. Eros é, pois, a pulsão mais poderosa, pela qual os indivíduos até mesmo dão a vida.
A sobrevivência da espécie também exige o cuidado com a prole e a proteção da fêmea, atitudes que se sublimaram na componente platônica do amor. Assim o amor evoluiu para um comportamento não só sexual mas também de carinho. A necessidade de proteger o grupo privilegiou aqueles que possuíssem fortes laços de cooperação interpessoal, que é sublimada na amizade.
Duas forças coexistem nas espécies animais: a de competição, egoísta e belicosa, que deseja o poder sobre o outro a ser subjugado e a de cooperação, que se expressa no amor, na compaixão, no altruísmo. A primeira tem suas raízes profundas na necessidade de aplacar a fome fisiológica de alimento e a segunda no impulso de preservação da espécie. Sendo o homem uma espécie altamente evoluída, que atingiu um estágio de consciência psíquica plena e desenvolveu a cultura, essas forças primitivas da natureza foram canalizadas para as expressões refinadas da arte, do engenho e da ciência. São elas que movem o poeta, o guerreiro, o cientista, o sacerdote, o empresário, enfim, todo homem e toda mulher a fazer o que quer que seja na vida.
Em seu livro “O Gene Egoísta”, Richard Dawkins diz que nossos organismos nada mais são do que instrumentos criados pelas moléculas replicantes para perpetuarem-se. Assim os dois instintos primários, da existência e da procriação, forjaram-se na natureza para atender a este imperativo básico do gene: replicar-se. Esta pulsão pode estar contida na própria estrutura subatômica da matéria, de um ponto de vista reducionista. Deste modo, talvez a própria estrutura íntima do Universo seja naturalmente estabelecida para culminar na vida, lembrando as idéias de Teillard de Chardin. Isto não significa que haja um projeto inteligente. Trata-se apenas de como as coisas são por si mesmas, sem razão nem propósito. Mas… não sei. Há que se investigar e discutir.
O amor e a felicidade
Pelo que se pode concluir, o sexo é, pois, um componente essencial da vida e um dos mais relevantes fatores de felicidade. Uma vez preenchidas as condições mínimas de sobrevivência: ar, água, alimento, abrigo (incluindo vestuário) e segurança, a pessoa busca sua felicidade. Dentre os muitos fatores que levam à felicidade, não resta dúvida que o mais relevante é a sensação de ser amado. Mas, para quem já seja sexualmente maduro, não é apenas o amor maternal, paternal e fraternal que contam. Há uma carência do amor erótico. Este é o objetivo buscado. Como nisto há uma reciprocidade, há que se amar para ser amado. Tal fato é tão válido que, mesmo sem correspondência, o ato de amar é fonte de felicidade, mesclada com uma doce tristeza.
Quando o amor é correspondido e se realiza eroticamente, atinge-se um êxtase talvez só comparável aos arroubos místicos. Por maior que seja a pulsão fisiológica para o sexo, da qual, por sublimação surgiu o amor, sua realização dissociada do amor não proporciona nem uma mísera fração da beatitude que o sexo com amor é capaz de conceder. Porque, aí, o sexo não é só fruição, mas, principalmente, doação. Excluído o egoísmo do sexo, incrivelmente, ele propicia um prazer maior ainda. É procurando dar o máximo prazer que se desfruta dele em plenitude. E, para isto, há que se buscar conhecer o parceiro completamente, em corpo e em espírito. Tudo está envolvido. Pudores têm que ser esquecidos. Uma pitada de molecagem sempre é bem-vinda. Mas, no meu entendimento, sem afligir dor e nem constrangimento algum. Só o prazer dos murmúrios, dos perfumes e dos odores, dos toques suaves e dos vigorosos, de todos os recursos disponíveis, sem reservas e sem remorsos. Sem pressa. Esquecido do mundo. Isto é o amor e os orientais são sábios em cultuá-lo, de modo até sagrado. Como diz Chico Buarque na “Valsinha”, como não seria melhor o mundo se o amor fosse o prato do dia de todos.
Amor é um sentir, um pensar, um desejar, um querer e um agir, isto é, uma emoção, um sentimento, um apetite, uma volição e uma ação. Esse complexo de fatos psíquicos caracteriza o amor em todos os planos, piedade, compaixão, solidariedade, afeição, amizade, amor platônico, erotismo. Amor filial, maternal, paternal, fraternal, conjugal, idealista. A intensidade e a seqüência em que eles aparecem podem variar. O amor sempre emociona, enternece, enleva e envolve um desejo de zelo, cuidado e proteção da coisa amada, bem como um anseio de reciprocidade. Mas o amor só se realiza quando é expresso em vontade e esta vontade em ação. Não basta sentir e desejar para amar, é preciso querer, demostrar e provar. O amor envolve dedicação e renúncia, paciência e perseverança, trabalho e recompensa, alegria e tristeza, euforia e depressão. É algo envolvente e inebriante. O amor não é possessivo, ciumento, exclusivista, castrador, sufocante. Pelo contrário, o amor é libertário e altruísta. Não me refiro apenas ao amor erótico, mas a todas as modalidades, inclusive as formas idealistas de amor à verdade, justiça, sabedoria, humanidade e natureza. O amor não pode ser cerceado em sua intensidade e abrangência. Ele não possui limites. Quanto mais intensamente se ama e a mais coisas e pessoas, mais capacidade se tem de amar. E quanto mais se ama, mais se realiza e maior é a felicidade, mesmo que nem sempre ele seja correspondido.
As variantes do amor
Falando-se, então, de amor, e não só de sexo, não há porque impor-se restrições de gênero, número e grau. Entendendo-se o sexo como expressão corporal do amor, a imposição de impedimentos, ou mesmo apenas de inibições a sua plena expressão, certamente é causa de perturbações psicológicas. Note-se que, absolutamente, não estou falando de libertinagem e de nenhum comportamento escandaloso, devasso ou ofensivo. Estou apenas dizendo que a livre expressão pública de afeto entre pessoas do mesmo sexo tem que ser considerada inteiramente normal, se essas pessoas pertencem àquela porção de humanidade que sentem atração natural por feromônios do mesmo sexo. Não se trata de falta de vergonha, se é que possuir vergonha seja, de fato, uma virtude.
Pessoalmente, sinto até certo asco em me imaginar acariciando, quanto mais relacionando-me com outro homem. Mas isto é uma característica de cada um. Amar o sexo oposto, o próprio ou ambos, para mim, é perfeitamente normal e tem que ser aceito pela sociedade com a maior tranqüilidade, mesmo no seio da família. Só acho esquisito certos trejeitos exagerados que alguns gays exibem, que nem mesmo as mulheres fazem. Sou amigo de gays e lésbicas, tão firme na amizade como na de heteros. Nenhum de meus amigos gays jamais insinuou-se para mim de forma sensual. Do mesmo modo, posso ser amigo de alguma prostituta sem considerar que deva fazer uso dos serviços dela, não me importando com o que alguém possa dizer a respeito. E admito como natural a possibilidade da poligamia e da poliandria. Apesar disto, sou um marido estritamente fiel e monogâmico, mas acho que poderia ter várias mulheres e minha mulher vários maridos. Quanto à Bíblia, não me importo com o que ela diga a respeito. Contudo, a pregação que se atribui a Jesus é a do amor. Então, como condenar quem ama, seja a quem for? Quanto mais as pessoas amarem-se umas às outras, melhor. Não se pode exigir exclusividade e nem fazer restrições ao amor, dizendo a quem se pode ou não amar. Se Jesus mandou amar até os inimigos, não posso entender que se possa recriminar ninguém por amar alguém. E veja-se que não sou cristão.
Poliamor
Muitas pessoas seriam bem mais felizes se pudessem ter mais de um companheiro ou companheira. Afinal, pode acontecer de amarmos sincera e profundamente a mais de uma pessoa. Ou não?. É um assunto polêmico, contra todas as convenções sociais, mas acredito que acontece o tempo todo. Como vivemos numa sociedade monogâmica, os sentimentos são abafados, escondidos, frustrados, calados, amordaçados e podem trazer uma sensação de culpa muito grande, que gera muito sofrimento. Numa sociedade perfeita, as pessoas seriam livres de egoísmo, ciúme, inveja e sentimento de posse. Vi um documentário sobre os mórmons de Utah, que mostrou homens casados com mais de uma mulher, vivendo felizes numa família imensa. Não vi nada de errado, já que todos mostravam alegria e união. Infelizmente o contrário não é permitido entre eles, isto é, uma mulher não pode ter mais de um marido. Nas colônias anarquistas de Santa Catarina, no princípio de Século XX, isto era possível e há um romance do Miguel Sanches Neto, “Um Amor Anarquista”, sobre a Colônia Cecília, que conta um caso assim.
Segundo a natureza humana, será que essa sociedade pluriamorosa seria possível? Será que faz parte do homem, segundo sua biologia, ter ciúmes sexuais de sua parceira, já que foi “programado” para espalhar seus genes com a máxima eficiência e, da mulher, ter ciúmes sentimentais, pois um homem apaixonado tenderia abandonar sua prole para constituir outro núcleo familiar? Será que um dia seria possível uma sociedade em que não se fosse taxado de promíscuo, ou coisa assim, quando se amasse mais de uma pessoa? E será que é mesmo possível amar plenamente mais de uma pessoa? Seria possível apaixonar-se perdidamente por uma pessoa, amando outra? O que fazer neste caso?
A noção de univocidade e exclusividade do amor não é verdadeira. Muitas pessoas ja vivenciaram isto, ou seja, estarem apaixonadas simultaneamente por mais de uma pessoa. A literatura e as artes, inclusive, são pródigas na exploração deste tema. Muitos conflitos existenciais ocorrem por este motivo, uma vez que a sociedade não admite a realização desta possibilidade, o que leva, até, ao suicídio. O conflito é muito grande porque a própria pessoa não admite em si esta dicotomia. E aquela que for o objeto do amor da outra, não está culturalmente disposta a compartilhá-lo com mais ninguém.
Posso afirmar, sem a menor sombra de dúvida, que é perfeitamente possível a pluralidade do amor, entendido de modo completo e no sentido do amor erótico. Isto é: a poligamia e a poliandria são perfeitamente cabíveis e poderiam certamente ser aceitas pela sociedade como coisa inteiramente normal e legalizada, com todas as implicações jurídicas e econômicas envolvidas. Não se trata de imoralidade nenhuma, pelo contrário, seria uma medida salutar para permitir a maximização da felicidade do maior número de pessoas. Certamente de uma forma consentida por todos os envolvidos e com compromisso de fidelidade recíproca, mas não exclusiva. Assim, não só o marido poderia ter mais de uma mulher mas a mulher mais de um marido, formando uma teia na sociedade. É uma nova forma de organização social, diferente da família monogâmica, mas perfeitamente aceitável. Isso tudo faz parte de minha idéia mais ampla de uma sociedade ácrata ou anarquista, sem fronteiras, sem governo, sem dinheiro e sem propriedade, inclusive do cônjuge.
Evidentemente, esta estrutura familiar estendida só poderia ocorrer em uma situação em que o matrimônio não tivesse a componente econômica e todo adulto provesse a si mesmo, sem depender de relacionamentos amorosos para seu sustento. O custeio dos filhos seria, então, rateado pela mãe e pelos pais. Numa sociedade comunitarista, a inexistência de habitações individuais não geraria o problema de decidir quem moraria na casa de quem.
Ciúme é egoísmo
Estou com aqueles que consideram o ciúme uma manifestação de puro e simples egoísmo. Sentir ciúme é pretender que o ser amado seja propriedade sua. Isso não é amor. Sou ateu, mas nunca vi melhor descrição do que é o amor do que o que disse o apóstolo Paulo no capítulo 13 de sua primeira carta aos coríntios:
“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tivesse amor, seria como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.
Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tivesse amor, não seria nada.
Ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tivesse amor, de nada valeria.
O amor é paciente, o amor é bondoso. Não tem inveja. O amor não é orgulhoso. Não é arrogante.
Nem escandaloso. Não busca seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.
Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.
Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

O amor é completamente gratuito. Não exige nada em troca, nem reciprocidade nem exclusividade. E se compraz com a felicidade do amado em qualquer circunstância. Ciúme é egoísmo, não amor. Não há posse no amor. E a felicidade é maior pelo amor que se dá e não pelo que se recebe. Mas é ótimo ser amado, sem dúvida. O que não se pode é exigir amor de ninguém e nem que o amado não possa também amar a outrem. Aquele que ama, inclusive, dispõe-se a compartilhar o ser amado. É preciso reverter inteiramente esta noção de propriedade no amor. Isso é sinal de imaturidade. Ama-se e confia-se no amado. O ciumento preocupa-se mais é com a perda de sua imagem, caso venha a ser traído. Mas não há traição se o compartilhamento é consentido. Nada disso haveria se a sociedade admitisse, tranquilamente, a pluralidade simultânea do amor.

The URI to TrackBack this entry is: http://www.ruckert.pro.br/blog/wp-trackback.php?p=1933

4 Responses to “Amor, sexo, gênero, preconceito e ciúme”

  1. Matias Vale disse:

    Olá Ernesto,

    Sou um dos amigos da Amanda aqui em São Paulo, sempre que conversava com ela ela me dizia como minhas opiniões convergiam muito com do padastro dela, então ela resolveu me passar o link de seu blog para que eu pudesse ler alguma coisa.

    Li algums textos e realmente achei todos muitos bons, gostei de sua precisão e clareza na hora de escrever; realmente temos pensamento convergente em relação a diversos assuntos. Espero algum dia poder ir a Viçosa e conversar com você pessoalmente, e ter a oportunidade de conhecer a família dessa pessoa que gosto tanto que é sua Enteada.

    Resolvi escrever nesse texto sobre sexualidade, pois acabou sendo o texto que mais me chamou atenção e um dos quais a minha opinião converge com a sua, temos um pensamento muito próximo também em relação a política e gostaria de aproveitar para deixar o link de um site muito interessante, não sei se você já o conhece: http://www.politicalcompass.org/
    Quando puder faça o teste, é bastante interessante a idéia deles de enciaxar opiniões políticas em um gráfico cartesiano.

    Sempre que puder voltarei aqui para ler seus novos textos, e procurar dar uma olhada em alguns do arquivo.

    Um abraço,

  2. Rafael disse:

    Umas idéias bacanas meu caro.

    Gostei mesmo, e concordo com muitas. QUe o amor da maneira como é visto hoje é pleenamente egoísta, e demais.

    Abraços.

  3. Andréa disse:

    Caríssmo,
    Gosto muito de tudo o que escreve. Bate muito com tudo o que penso mas a verdade é que vivemos uma sociedade governada pelo medo e pela opressão dos fracos pelos fortes. Nossa selva é de pedra. Como mulher sei o que digo. Por mais que eu quizesse ser de fato uma mulher livre seria perseguida onde quer que eu fosse. Penso que esse lugar que você sonha e chama de anarquia, se um dia existir seja o paraíso. Nunca fui cristã, nem quando criança, apesar de ter sido batizada e me casar na igreja católica. Casei-me para satisfazer o desejo dos que amo. Não reclamo, só digo para mostrar o quanto somos oprimidos no meio em que vivemos, pelos prórprios que dizem nos amar. Cristo, se existiu de fato, foi o único que conheço que tentou instaurar essa utopia na terra e o que fizeram com ele?
    Como mulher sei que se eu não andar na linha meu filho será o que mais sofrerá as consequências e é por amor que me mantenho sob o jugo social, mas dentro de mim sei que é tudo mentira.
    Existem recursos no mundo suficientes para todos viverem bem mas a maioria das pessoas quer dominar as outras pessoas. Quanto mais idealista você é, mais você sofre. Sou mulher e sei o quanto já fui manipulada em nome de um pretenso amor que no fundo é só jogo de interessetes.
    Estou quase conseguindo a plenitude para poder alçar meu voô solo mas tenho medo por aquele que mais amo, que é meu filho. Porque o amor é tão sofrido eu não sei, mas isso é fato. Se alguém pelo menos tentar sulbimar o amor, que acho que é sim a argamassa que mantém o universo coeso, essa pessoa será “crucificada”. Talvez, a vida de Cristo seja mais simbólica do que real, pois quem conta um conto, aumenta um ponto, não é mesmo. Dá uma olhada nos meus blogs: http://osagradofeminino.blospot.com e http://agrandehereia.blogspot.com e depois me dá um alô.
    Sorte,
    Andréa

  4. Ernesto disse:

    Realmente é um risco pretender ser uma pessoa liberada na sociedade atual, pois isto é considerado uma profanação das convenções hipócritas. Preserva-se a santidade da família mas se fornica a torto e a direito, desde que escondido e não assumido. Minha proposta é que tudo seja admitido às claras, com honestidade, conhecimento e aquiescência de todos os envolvidos e, o que é mais importante, com compromisso e envolvimento de sentimentos e não apenas de fruição de prazer. Mesmo que apenas assim o seja, sem compromisso, que isto fique estabelecido como uma permissão recíproca de quem esteja em um relacionamento compromissado. Mentira é o que não se pode admitir. O pior é que tem pessoas que acham que o parceiro possa ter casos extras, desde que ele não saiba, pois, então, teria que tomar a atitude de romper, se o outro não cessar. Porque não tomar a atitude de consentir abertamente, desde que o outro também dê consentimento recíproco?

Leave a Reply

Please note: Comment moderation is currently enabled so there will be a delay between when you post your comment and when it shows up. Patience is a virtue; there is no need to re-submit your comment.

[Ernesto von Rückert is proudly powered by WordPress.]